Eficácia de novos tratamentos para câncer de pulmão comum é comprovada

Estudos mostram eficácia de novos tratamentos para pacientes com tipo mais comum de câncer de pulmão

ADAURA e Keynote 671 mostraram os primeiros benefícios de terapia alvo e imunoterapia para aumentar chances de cura deste tipo de tumor em estágios iniciais

Resultados de estudos apresentados neste domingo (4/6) durante a maior conferência em oncologia do mundo, a ASCO (Encontro Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica), trouxeram otimismo para especialistas e pacientes de câncer de pulmão em estágios iniciais. O Keynote 671 e o principal, ADAURA, trazem possibilidades de cura “reais”, aponta William Nassib William Jr, líder da especialidade de tumores torácicos do Grupo Oncoclínicas. “São pesquisas com técnicas de imunoterapia e terapia alvo que já eram muito usadas no tratamento, mas apenas para pacientes com doença avançada, uma situação na qual as chances de cura são muito pequenas ou inexistentes. Agora, conseguimos aplicar para aqueles que estão em estágios iniciais, o que aumenta exponencialmente a possibilidade de cura”, comenta.

O principal estudo do setor, o ADAURA, investigou o uso de terapia alvo no período pós-operatório para pacientes com câncer de pulmão localizado que foi operado e que apresenta mutação de EGFR. “Já sabíamos, por dados apresentados do próprio estudo anteriormente, que o uso de osimertinibe por três anos após a cirurgia evitava a recorrência da doença”. Mas a pesquisa apontou que os benefícios são ainda maiores e na ASCO foram apresentados dados de sobrevida global, com aumento robusto da sobrevida nos pacientes.

Foram 682 pacientes randomizados: 399 receberam da droga terapia alvo osimertinibe e 343 receberam placebo. Em pacientes com doença em estágio II–IIIA, a taxa de sobrevivência em 5 anos foi de 85% com osimertinibe contra 73% com placebo. “A droga demonstrou um benefício sem precedentes, altamente significativo estatisticamente e clinicamente em pacientes em estágio IB–IIIA”, comenta o especialista.

Tatiane Montella, da Oncoclínicas Rio de Janeiro, reforça que o estudo mostrou uma diminuição no risco de óbito de 50% em relação a quem não recebeu o tratamento. “É um dado importante e que muda a prática clínica. Dos 2 milhões de casos de câncer de pulmão diagnosticados no mundo, todos os anos, 30% são identificados em fase inicial, é para esses pacientes que o Adaura trará benefícios”, diz a oncologista.

Imunoterapia para tratamento de câncer de pulmão

Já no estudo Keynote 671, pacientes com câncer de pulmão localizado e operável receberam tratamento com quimioterapia mais imunoterapia (pembrolizumabe) antes da cirurgia. Após a cirurgia, os pacientes também receberam imunoterapia adjuvante por aproximadamente um ano. Esse grupo foi comparado com outro que recebeu quimioterapia pré-operatória (sem imunoterapia) seguida de cirurgia. Os pacientes que receberam a imunoterapia tiveram maior chance de eliminação completa do tumor durante a cirurgia e uma menor chance de recorrência do tumor ao longo do tempo.

“Este estudo vem corroborar o papel da imunoterapia pré-operatória e esta estratégia passa a se tornar mais uma opção de tratamento para esses pacientes. Pelo menos três outros estudos reportados recentemente com estratégias semelhantes porém com outras drogas imunoterápicas (nivolumabe, durvalumabe e toripalimabe) demonstraram efeitos benéficos muito parecidos. Todos esses estudos sedimentam o papel da imunoterapia pré-operatória em câncer de pulmão, ampliando as opções de tratamento e aumentando as chances de cura”, reforça William William .

Porém, segundo ele, muitas outras perguntas permanecem. “Não sabemos se uma destas drogas é melhor do que a outra, não sabemos qual é a verdadeira necessidade do uso de imunoterapia por um ano após a cirurgia e não sabemos como devemos proceder com os pacientes que não tiveram eliminação completa do tumor pelo tratamento pré-operatório”, finaliza o oncologista do Grupo Oncoclínicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *